Banner Tropical
Banner Record
ISENÇÃO A APOSENTADO

Janaina: em queda de braço com Estado, servidor sai prejudicado

Conselho alterou projeto já acordado entre AL e Executivo, que resolveu segurar o envio das propostas

Raul Felix

Raul FelixSite de notícias de Rondonópolis e Mato Grosso - Jornalismo Online | Diretor Raul Félix Site.

16/06/2021 09h43
Por: Raul Site Félix
Fonte: https://www.midianews.com.br
LISLAINE DOS ANJOS E CÍNTIA BORGES
DA REDAÇÃO

A deputada estadual Janaína Riva (MDB) criticou a alteração feita pelo Conselho da Previdência no projeto que isentava parcialmente os aposentados e pensionistas portadores de doenças raras de pagarem a alíquota previdenciária de 14% sobre os vencimentos. 

A parlamentar lembrou os meses de negociação entre o Legislativo e o Governo do Estado até chegarem a uma proposta intermediária. Para ela, na queda de braço travada com o Executivo, quem sai penalizado é o servidor público aposentado, que segue sem previsão de conseguir fazer o salário render no final do mês. 

“Eu acho muito difícil o Governo voltar atrás daquilo que já estava pactuado. Nós tentamos por cinco meses fazer enviar essa proposta. Quando enviou, o Conselho alterou a proposta”, criticou. Thank you for watching

“Não estou dizendo aqui que não é justo o que o Conselho quer. Mas a gente já tinha uma negociação pela metade. Mais dois ou três meses de atraso nas negociações é prejuízo para o bolso do servidor”, argumentou.

A parlamentar salientou que, apesar de existir uma obrigação de que os projetos do Executivo enviados à Assembleia sejam aprovados pelo Conselho do MT Prev antecipadamente, a demanda não é uma via de mão dupla.

 

“O Governo é obrigado a enviar a proposta ao Conselho, que tem que avalizar. Mas o Governo não é obrigado a enviar para a Assembleia a proposta que é aprovada pelo Conselho”, explicou.

 

"Negociação democrática"

 

Janaina afirmou que o acordo firmado entre o Legislativo e o Executivo foi feito ouvindo os servidores da ponta e estava pacificado, tendo o Estado dado um voto de confiança à Casa de Leis de que ambos os projetos seriam aprovados sem modificação.

 

“Se o Conselho tivesse aprovado aquilo que já estava pacificado com o Governo do Estado nesse mês, os servidores portadores de doenças raras já teriam um desconto”, disse.

 

“Quem ganha até o dobro, [teria desconto] de 50% daquilo que já está pagando. E quem ganha até o teto do INSS teria um desconto de 100% do que está pagando”, argumentou.

 

Conforme a parlamentar, após a aprovação de ambos os projetos, a Assembleia deveria retomar as discussões para o próximo ano, a fim de tentar a isenção total sonhada pelos servidores. 

“Passando isso, a gente teria até o ano que vem para continuar na discussão para chegar até o teto. O caixa do Estado está correspondendo. Então, a expectativa é positiva. Se a gente tivesse uma expectativa negativa de arrecadação, aí entendo o servidor ter esse receio. Mas como a expectativa é positiva, dava para esperar”, afirmou. 

De acordo com Janaína, a responsabilidade agora é muito maior do Conselho do que do Legislativo. 

“Essas negociações são democráticas. Às vezes vai para esse radicalismo de tudo ou nada e ficamos sem nada por vários meses, e o servidor sendo penalizado”, lamentou. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.