Banner Tropical
Banner Record
APÓS VETO SER MANTID

Lúdio avalia ir à Justiça se AL não auditar sistema de votação

Deputado estadual petista quer verificação de sistema usado para voto secreto dos colegas

17/02/2021 16h38
Por: Raul Site Félix
Fonte: https://www.midianews.com.br
LISLAINE DOS ANJOS
DA REDAÇÃO

O deputado Lúdio Cabral (PT) afirmou que não descarta ir à Justiça para garantir a realização de auditoria no sistema usado pela Assembleia Legislativa para votações sigilosas dos parlamentares, caso o presidente da Casa, deputado Eduardo Botelho (DEM), negue o seu requerimento.

 

Lúdio é autor do Projeto de Lei Complementar 36/2020, que prevê a ampliação da faixa de isenção de contribuição previdenciária para servidores inativos do Executivo Estadual.

 

Após ser aprovado por unanimidade na Assembleia, o projeto foi vetado pelo Governo do Estado. A decisão do Estado foi mantida no Parlamento, na última semana.

 

O caminho de quem não concorda com alguma coisa sempre é a Justiça. Ele pode entrar na Justiça e nós vamos defender o que está aqui

Diante da derrota e da manifestação de mais deputados do que o número de votos computados a favor do seu projeto, o petista apontou possível falha do sistema.

 

“Farei o requerimento ao presidente e ele é quem definirá os encaminhamentos que serão dados. Caso ele rejeite, eu vou avaliar quais medidas vou tomar. Eventualmente, posso ir à Justiça. É um dos caminhos possíveis”, disse.

 

O presidente já adiantou que o pedido de Lúdio é impossível de ser atendido e ofereceu, como possibilidade, a realização de votações simuladas em plenário para comprovar a eficácia do sistema, o que não foi bem aceito pelo deputado de oposição.

 

“A leitura do Botelho é de que foram exatamente 11 votos pela derrubada e por isso não haveria necessidade de auditoria do sistema. Eu preciso acreditar na palavra de 14 deputados e vou pedir auditoria no sistema de contagem”, defendeu Lúdio.

 

“Porque se for comprovado que houve erro na contagem dos vetos, essa votação terá que ser anulada e o veto deverá entrar novamente em votação”, completou.

 

Questionado sobre a possível judicialização da questão, Botelho disse ver a situação com tranqüilidade.

 

“Não vejo problema. O caminho de quem não concorda com alguma coisa sempre é a Justiça. Ele pode entrar na Justiça e nós vamos defender o que está aqui”, afirmou.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.